19 de jan de 2009

Sobre um espetáculo que quero assistir várias outras vezes - 17/11/2008-

Ah! Que sensação Divina.

No finalzinho de tarde de hoje eu estava debaixo de um pé de Mangaba. fui na esperança de encontrar alguns frutos caído (mangabas não devem ser colhidas no pé. Devem, sim, serem recolhidas no chão, após caírem espontaneamente). É que a dois dias tive sorte e encontrei quatro. Uma delícia. Hoje não tinha nenhum. Valeu à pena mesmo assim.

Bem, estou no Parque Nacional das Emas, e hoje é segunda-feira (17 de novembro de 2008). Vim pedalando até aqui. Estou a cerca de 3 quilômetros da sede, próximo ao mirante que existe aqui. Bem próximo ao Rio formoso. E a sensação a que me referi no início é provocada por um conjunto de estímulos sensoriais incrivelmente agradáveis.

Não sei se vocês já tiveram a sorte de “assistir” ao pôr-do-Sol no Cerrado. Se já, deve saber do que eu estou falando. Se não, está aí uma das coisas que todos deveriam fazer antes de morrer.

Alguns podem dizer que “Pôr-do-sol é tudo igual”. Não, não é mesmo. No Cerrado é diferente. E, especialmente aqui, no Parque Nacional das Emas é ainda mais especial. É que aqui tem a “mística do PNE”. Não se trata de magia, como se diz, na forma convencional. Nem de preceitos religiosos. É uma atmosfera mágica, como mágica é a imaginação das crianças. Puro como perfume da flor de cazujinho e doce como todos os frutos que se encontra aqui.

E esse espetáculo. Digno de todos os prêmios. É impossível descrever em palavras humanas, mas vou tentar transmitir o que meu vocabulário permitir.

Pra pode aproveitar ao máximo você precisa ir para um local onde não possua interferências de sons, odores e luzes artificiais. E que seja o mais plano possível. Se estiver a mais de 800 metros do nível do mar, melhor ainda (aqui é o melhor de todos os lugares. Eu estava hoje no melhor camarote).

Se prepare quando o Sol já estiver tocando a linha do horizonte. E fique atento. Nesse momento o Céu começará um espetáculo de cores capaz de deixar todos os grandes gênios da pintura de boca aberta. As nuances se alternam entre vários tons de azul, roxos, amarelos e vermelhos, com mudanças lentas, mas bastante perceptível. Ao mesmo tempo você se sentirá como se estivesse dentro de uma grande “concha acústica”, onde a mais bela sinfonia é executada. É que (tenho a sensação que) todos os seres do Cerrado escolhem esse momento para entoarem seus sons. De onde estava eu recebia sons que vinham de todos os lugares. São cigarras de várias tonalidades, grilos, pássaros, e sabe-se que outros seres habitam aqui. Todos cantando, como que aplaudindo o espetáculo de cores, que se apresenta no ocaso.

Um desavisado, mais sensível, pode até pensar é o próprio Céu que canta nesse momento. Quem sabe não seja mesmo.

De qualquer forma a combinação de cores e sons que se assiste daqui, de debaixo daquele pé de mangaba, está muito além de todos os espetáculos multimídia que da Broadway ou de qualquer palco. E nesse momento começa a mudança de temperatura. O calor que imperou durante o dia lentamente dá lugar a um friozinho característico. E nesse exato momento é possível sentir um ventinho bom acariciando toda pele desnuda e afagando os meus cabelos curtos. Esse vento trás junto os diversos aromas que o Cerrado possui.

---- Pausa para esclarecer que o Cerrado é, acredito, o mais belo de todos os biomas que existe. No entanto como tudo que é verdadeiramente belo, é grandemente humilde, exigindo de nós uma observação tão humilde e delicada quanto ele, para que possamos encontrar, e apreciar, toda sua rica beleza. A que ter paciência e cuidado. É necessário buscar sem pretensão. Olhar por debaixo dos troncos retorcidos e das folhas grossas. Buscar em todas as suas fisionomias, nas asas de cada pássaro ou nas guelras de cada peixe endêmico Experimentar os sabores doces e azedos dos diversos frutos que ele nos serve. So assim você pode encontrar toda riqueza do Cerrado. Fim da pausa ----

Eu, ali, de pé ao pé da mangabeira, mero telespectador de tudo isso. Tendo quase a idéia de poder tocar nas cores e nos sons. Tentando identificar a origem do solo grave e do conjunto de agudos mais ritmados e afinados que qualquer orquestra de metais. Sentindo a saliva escorrendo das glândulas, provocadas pelos diversos cheiros doces. E à minha frente, o Sol finalizando seu maravilhoso espetáculo.

Eu feliz. Sem conseguir articular muitos pensamentos. Apenas me percebendo grandiosamente feliz. Pelo simples fato de estar aqui. De poder sentir tudo isso. Por ter a sorte de conhecer esse lugar e por ter a conseguido até aqui a grandeza de perceber meu tamanho frente à grandeza real de tudo que assistia ali.

É curiosa a vida no Cerrado. À mim parece que é no crepúsculo que acontece o clímax. Depois do espetáculo, a noite e o dia permanecem juntos por um certo tempo. Cria-se então uma penumbra sem a presença do Sol e sem a presença das estrelas (o bom de não ter realizado o sonho de criança me tornando astrofísico é poder ver os astros com a visão leiga da criança que fui e do romântico que sou). Se o Cerrado dorme, deve ser exatamente enquanto o dia namora a noite. Pois o grande concerto é seguido de um silêncio tão denso quanto os sons que ouvia a pouco. Espertos esses habitantes do Cerrado, pois nesse momento, que dura cerca de uma hora (não mais que duas), não há luz para incomodar os olhos nem escuridão o bastante para assustar os mais inseguros. É, de fato, o melhor ambiente para se dormir. (os humanos com freqüência de enganam nessas horas, acreditando que seus olhos são capazes de enxergarem plenamente nessas condições. Não podemos. Tampouco os faróis dos carros são de fato úteis enquanto o Cerrado dorme).

Tenho a sensação que mesmo o Rio Formoso corre mais sonolento.

Aos poucos a noite preta vai assumindo o comando de tudo. E, também aos poucos, os ruídos vão voltando. Acredito que as espécies, para as quais bastam aquele pequeno intervalo de descanso, retomam a rotina de suas vidas. Outras, que passaram o dia adormecidas ou escondidas, saem para o agito que se segue. O rio volta a correr com a força de sempre. Em pouco tempo será possível perceber o Cerrado se movimentando todo novamente.

Para minha sorte foi noite de lua cheia. Esse é outro espetáculo particularmente belo por aqui. O brilho da lua me mostra que ela tem luz própria, como toda estrela que se esforça para enfeitar a noite que se observa no Cerrado (novamente me alegro de não ter me tornado um cientista dos astros).

Quis assistir um pouco mais. Fiquei sozinho, sentindo o vento frio, sentado na grama, olhando pra lua, sem deixar de ver as luzes verdes dos vaga-lumes, nem de ouvir, com certo temor, os ruídos de outros animais que circulavam ao redor. O mais marcante foram os estalos fortes do “bater-mandíbulas” dos queixadas.

É engraçado como vamos ficando medrosos enquanto crescemos. Sobretudo se moramos em alguma cidade grande. Hoje a noite me assusta muito mais que antes. E os sons me amedrontam. Coisa típica de quem teme os perigos oferecidos por outros humanos, nas noites urbanas.

Resisti ao ímpeto de procurar abrigo logo nos primeiros sons. E resisti, também, à vontade de usar um agasalho que impedisse o frio de tocar meu corpo. Era isso também que queria. Sentir novamente como é a noite aqui. Afinal, quantas noites já passei “ao relento”? Essa era minha preferência em todos os acampamentos. Dormir olhando as estrelas. Ouvindo os ruídos noturnos.

Perto da sede do Parque, outro espetáculo se apresenta nessa época. Em alguns campos de cupinzeiros tem-se a impressão de se estar em uma grande cidade de edifícios, com suas luzes ligadas. Efeito provocado pela luzes das larvas dos vaga-lumes que se esforçam para atrair mariposas que serão seus alimentos. Também vale a pena ficar horas olhando.

É, tudo isso deixa claro quem eu sou.

Definitivamente esse é meu lugar. Não importa por que caminhos andei, e ainda andarei. É aqui, exatamente nessa porção de terra, que eu me sinto mais gente. Mais próximo do Criador e de toda criação.

Sou um bicho do Cerrado. Tenho anseios de voar alto, correr o mundo todo. Conhecer outros bichos e outras plantas. Mas sei que isso servirá apenas pra comprovar cada vez mais, que é ao Cerrado que eu pertenço.

Minha casa vai ser sempre aqui, pois é aqui onde me sinto verdadeiramente à vontade.

Acho que entendo também por que nunca deu certo minha vontade de me tornar guia, e ganhar a vida mostrando meu Cerrado para visitantes. É que, me parece, para fazer esse trabalho bem feito, é necessário um certo distanciamento. E eu me sinto exatamente em casa. Pode ser uma particularidade minha, mas em minha casa eu espero que os visitantes fiquem à vontade. Eu mostro onde está cada coisa básica, como banheiro, cerveja, cozinha e cama. Não me atento em mostrar como são belos meus quadros, ou a poesia rabiscada, esquecida sobre a mesa, debaixo de um livro aberto. Esses detalhes espero que meus amigos (se estão em minha casa são meus amigos) descubram sozinhos. Para que sintam vontade de voltar espontaneamente. Não raro solicito que uma ou outra visita me sirva com alguma coisa em minha própria casa, como forma de mostrar-lhes que a casa e tão minha quanto deles.

Vejo que sempre fazia igual quando estava com algum “turista” aqui no Cerrado. Não deu certo.

Mesmo assim digo a todos, se vocês não conhecem as belezas discretas do Cerrado, precisam conhecer. Se conhecem o Cerrado, mas não o Parque Nacional das Emas, não foi apresentado à melhor porção desse bioma. Precisam vir até aqui, ao menos uma vez. E vindo, me convidem para acompanhá-los, Vai ser um grande prazer compartilhar essa experiência, so não esperem que eu seja um bom guia. Não serei. Mas um bom anfitrião eu prometo tentar ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário