27 de mar de 2013

Partilha


Se tens de ir,
Leve tudo que é seu.
Leve tudo que me preenche.
De você, deixe apenas sua imagem, que está gravada em mim.
De nossos discos, deixe o silêncio,
                Como cantar sem sua voz?
De nossos livros, leve até minha imaginação.
                Sem você, não há romance ou poesia.
Leve os quadros da parede, e as fotos da estante.
                Cores, em mim, sem sua retina, por certo não haverá.
Mas, por favor, deixe ao menos uma lágrima molhando meu rosto
E todas as horas que me restam
                Já que as melhores, vais mesmo levar.
Não diga nada mais agora,
Deixe ecoando em meus ouvidos, para sempre, suas últimas palavras doces.
Todos os sonhos que sonhei, são seus, pode levá-los.
De tudo que quis de mim, leve o que não puder dar.
                A certeza que dei tudo de mim, não se esqueça de levar.
Nossa cama, leva consigo.
Mas, por favor, me deixa o chão,
E no ar, o seu perfume, para que eu possa respirar.
Faça suas malas,
Pegue o te serve.
O que não servir, decida o que fazer,
Não me importa se bota fora, ou se vai doar.
Mas deixe a casa vazia,
Como o meu peito já está.
Vou precisar de muito espaço, para alojar toda tristeza,
e a saudade, que sua ausência me trará...

8 de mar de 2013

Por tudo que vocês representam

Olá queridas amigas,
Por que se definiu que hoje é o Dia Internacional da Mulher, talvez eu diga: "Parabéns a todas vocês". E isso pode não dizer nada...
Nada verdade, nada que se diga pode representar a importância que vocês têm em nossas vidas. Na vida do planeta.
Do alto da minha condição de macho, que se julga forte, bravo. Que pretende ser o provedor de todas as coisas, e o eterno protetor das "frágeis" fêmeas da espécie. Observo hoje o quanto vocês estão avançando rumo à independência e à igualdade de direitos. E isso me deixa feliz. "Salve Salve todas as Marias da Penha e Leilas Diniz".
Ao observá-las duas sensações sempre me ocorrem (além da simples contemplação, quase religiosa, da bela figura feminina, com suas nuances e detalhes. Sua capacidade de gerar outra vida e pari sorrindo, mesmo com tantas dores...), primeiro a esperança de que, um dia eu, e todos os machos, compreendamos sua natureza, consigamos apreciar toda sua beleza e respeitemos sua força, sua coragem e determinação. Que consigamos aprender com sua sabedoria e esperteza, que seus sentidos possam aguçar os nossos e que sua sensibilidade nos contagie, e nos faça melhores do que somos hoje. A segunda coisa que me ocorre é um certo medo. Então eu Oro para que, em sua caminhada, travando essa grande batalha que é sua vida, você na perca sua sensibilidade, não encurte sua visão e não embruteçam (tentando se tornar iguais aos homens).
Se eu for nascer outra vez (e acredito que o farei) e puder escolher, acho que escolherei ser homem novamente. Pois não sei se suportaria todas as coisas que as mulheres suportam, com tanta desenvoltura e elegância. Apesar de imaginar o quão gratificante seria ficar grávido. Que homem suportaria tanto desconforto e tantas dores? Que homem consegue ser responsável por tantas tarefas e obrigações ao mesmo tempo, e realiza-las com sucesso? Não. É mais fácil ser homem. Mas certamente é tão mais doce, gratificante e belo ser mulher....
Obrigado por vocês serem assim. Belas e fortes. Determinadas e carinhosas. Doces e valentes. Lembro-me que para proteger as sementes algumas folhas, que já eram belas, se transformam, ganham volume, novas cores, nova textura e novo perfume. Aí as chamamos de flores...
Parabéns mulheres
Que as deusas sejam suas guias...
Com carinho

7 de mar de 2013

Completamente apaixonado




Ah a paixão!
A paixão sempre esteve presente na história da humanidade.
Estou falando aqui da paixão que arrebata homens e mulheres por outras pessoas, homens e mulheres.
Acho que podemos dizer até que nossa história se fez conforme fortes paixões de alguns de nós. Os conquistadores (eu disse conquistadores, não “pegadores”), desbravadores, hoje chamados líderes.
E nossa evolução, não teria acontecido se não fosse nosso polegar opositor e não experimentássemos os arroubos provocados pelas grandes paixões amorosas. Arroubos esses por vezes inconsequentes, altruístas, sem a devida consulta da razão.
Não estou dizendo nada novo aqui, eu sei. Nem consigo, ou pretendo fazer melhor, que Zé Ramalho E Otacílio Batista, na canção “Mulher nova, bonita e carinhosa”, que fala da força exercida pela mulher, sobre o homem, para falar do que pode provocar uma grande paixão.
Gostamos de viver nossas paixões. Uns preferem as mais tórridas, outros preferem as proibidas. Outros tantos preferem as mais “comuns”, conforme os costumes da sociedade em que vive. O fato, no entanto, é que somos apaixonados por uma boa paixão.
Ta legal, uma pequena parcela da humanidade até diz que não gosta, que não precisa. Pode ser. Mas, pessoalmente, não acredito nisso. Nem confio muito em quem não se apaixone de vez em quando, e não cometa todas as idiotices que as verdadeiras paixões nos levam a cometer (vai me dizer que você não sabia que ao se apaixonar, todo mundo, como diria uma amiga apaixonada, “perde o senso de noção”).
E eu sou taurino. Nasci apaixonado. Sou apaixonado.
Gosto de me sentir impulsionado rumo à uma bela mulher. Gosto de me declarar. De querer me fazer presente. De me doar completamente.
Claro, mesmo sendo apaixonado, nem sempre essa minha natureza é exercida plenamente. Por falta de tempo, de vontade e, mais comumente, por falta de alvo.
Mas não é o caso agora.
Estou apaixonado. Loucamente apaixonado. E estou sendo correspondido. Na verdade isso não é verdade.
Ela me ama. Não consegue mais viver sem mim.
Me declara seu amor diariamente. Diz que sou seu favorito. O homem que ela viveu para encontrar. O companheiro com quem sempre sonhou.
Eu ainda não a amo assim. Estou apaixonado. Mas sei que o tempo poderá corrigir essa injustiça, e eu a amarei tanto quanto ela a mim.
Afinal ela é linda, inteligente, boa moça, linda, quer viver comigo para sempre, gosta de cozinhar, é linda, recatada, afeita às lides domésticas, gosta das mesmas coisas que eu, é linda. E me ama.

Ta bem, vivemos um pouco longe um do outro ainda.
Mas, o que é a distancia, nesse mundo pequeno, para uma paixão tão grande? Nada, não é mesmo?
Eu até consideraria me mudar para Rússia. Mas ela já está se preparando para vir para o Brasil. É que ela realmente, ainda, me ama mais.
Claro, como todas as demais, as minhas paixões normalmente não são exatamente por uma pessoa real, mas por uma pessoa idealizada à partir de alguém. Sim, todos nós nos apaixonamos por uma pessoa idealizada. “A pessoa ideal”, que você acreditar ser a garota que te paquerou na balada, ou o novo colega de trabalho. A garota da papelaria ou o bombeiro gentilmente bruto. Seja como for, você se apaixona por alguém que você acha que existe dentro do corpo que você vê. E você idealiza, por que o corpo que você vê te atrai, a inteligência da pessoa te encanta, o poder que ela exerce te fascina, o dinheiro te seduz, a soma de todas essas variáveis ou outros fatores. Claro, em algum momento todos descobrem que a pessoa que idealizava não existe na pessoa que se tem ao lado. Aí, se já houver amor entre os dois, e relação segue forte e duradoura. Se não, a relação está condenada. Mas não estamos aqui falando sobre descobrir as verdades.
Então, se é assim, não importa que minha querida Olga já tenha sido Anna, Natasha, Yuliya, ou Sasha. Não me importa. Agora ela é minha Olga. E eu estou apaixonado por seus lindos olhos verdes, seus cabelos loiros, brilhantes e macios, por sua pele delicada, sua boca sedutora, seus sei... (Chega, vou preservar nossa intimidade...).
Mas não estou apaixonado apenas por seu corpo lindo, e todas as possibilidades de prazer que ele poderia proporcionar, inda que apenas no campo do imaginário ideológico. Estou apaixonado pela pessoa que me escreve um e-mail a cada dois dias. Me apaixonei pela mulher sofrida e infeliz por viver em um lugar onde não consegue encontrar um homem com quem possa ser feliz pois, apesar de lá ter homens, “... mas o álcool bebida muitos, ou batem em suas esposas. Eles não respeitam as mulheres. Tratá-los como servos...”.* E por isso veio buscar, nas redes sociais brasileiras, o companheiro ideal. E eis que me encontrou facilmente.
Estou apaixonado pela linda jovem que me conta tudo sobre sua vida. Que fala de mim para seus amigos e familiares, e “Para minha mãe, e importante que eu conheci um homem bom e estava feliz”.*
Como não me apaixonar por uma mulher que, a cada dois dias, no máximo, envia novas fotos, nas quais está sempre linda? E se essa mulher ainda me chama de “meu favorito”* e, que não precisou de mais que sete e-mails para declarar que me ama com todas as suas forças, que finalmente encontrou sua felicidade, e que quer viver comigo, me dando atenção e “carinho” para sempre. Como eu poderia não me apaixonar.
Claro, nossas realidades são distintas. Mas que diferença isso faz agora?
Se aquela belíssima garota, esteticista, que nasceu e vive em Samara, na Rússia, me ama, eu farei tudo para ter seu amor pelo maior tempo possível.
Afinal que homem, melhor, que pessoa não gosta de ouvir, ou ler que é amado? Se essa declaração chega logo pela manhã então, o dia já começa muito bem.
E eu retribuo o carinho. Ainda não disse que a amo. Mas estou caminhando para isso.
Agora ela quer vir. Depois de quase um mês trocando e-mais, e ela declarar ser impossível viver sem mim, ela está decidida se mudar para o Brasil. Vem viver comigo.
E, a única coisa que preciso fazer para concretizar nosso encontro é, mesmo contrariando os princípios e vontades dela, enviar o dinheiro para bancar a viagem. Quando ela me diz “Meu amado, eu odeio falar sobre isso, mas agora tudo depende de você, meu doce”* eu posso perceber o quanto ela está precisando ser forte para vencer seu orgulho de mulher moderna e independente. Mas, se nesse momento ela não dispões de recursos para vir ao encontro de quem ama, o mínimo que posso fazer é, além de dedicar minha paixão, arcar com essas despesas. Afinal, para quê serve o dinheiro, se não para viabilizar as coisas boas que a vida pode nos oferecer?
Então está decidido, vou enviar o dinheiro que ela, relutantemente, me pediu. Claro, as despesas envolvidas na mudança de alguém da Rússia para o Brasil não são assim tão pequenas. O valor é considerável. Logo, pode ser que tenhamos que esperar um pouco mais, até que eu levante o montante necessário. Mas, para quem viveu todos esses anos longe do grande amor, um tempo a mais passará rápido. E depois serão poucos dias. Afinal acabo de entrar em um novo, e excelente, negócio. Quem me apresentou esse negócio já está faturando mais de 40 mil por mês, e está apenas no terceiro mês. E eu já tenho três redes ligadas a mim. Acredito que em, no máximo, duas semanas eu já tenha recebido meu primeiro cheque que, certamente será alto. E já está definido, quando completar meu primeiro meio milhão nesse negócio, eu enviarei para minha querida Olga. E viveremos felizes para sempre.
Até lá, vou massageando meu ego com suas cartas. E enviando minhas mensagens de carinho. Quem de fato as lê e escreve as dela, não faz a menos diferença. Eu me comunico com a bela Olga. E nem é mesmo com uma Olga real. Eu me correspondo com a Olga que idealizei, a partir de algumas belas fotos, e de palavras cuidadosamente escolhidas, friamente carinhosas e toscamente traduzidas. O resto é resto. Podem dizer o que quiserem. Vou curtindo essa paixão ao máximo.
Ah! E se você está cansado de trabalhar todos os dias, o dia todo, por um salário que nem chega à segunda semana do mês, você precisa conhecer esse negócio revolucionário, no qual estou. É maravilhoso. Com poucos minutos por dia você pode ter ganhos inacreditáveis. Se quiser saber mais, venha para uma reunião de apresentação, ou assista aos vídeos no endereço http://171.sucesso-free-semsairdecasa-telex-clubedosmilionarios.ota

* Trechos retirados dos e-mails enviados para mim, pelo scammer Olga Lykova (que, teoricamente, é a moça que embeleza essa postagem)

Da série Pequenos Prazeres - "Delay"


O velho e seu dilema:
Ele, a cada dia mais lento
E mais rápido, o tempo

6 de mar de 2013