31 de ago de 2012

Novas lições


Pensando em conhecer, parti
Pretendendo ser feliz, acumulei
Querendo me adaptar, me deformei
Por respeito, forcei
Para me afirmar, causei
Para sempre ganhar, trapaceei
Buscando preencher, transei
Para sempre ser livre, não me entreguei
Pensando ser forte, me fechei
Por não merecer, só tive quando comprei
Por me achar melhor, fiquei sozinho
Por ter tanta pressa, nem vi por onde passei
Querendo me encontrar, quase me perdi
Briguei
Atropelei
Tanto corri, que me cansei
E, só agora eu percebo que errei
Que só aprendi ao observar
Só fui feliz nas vezes em que compartilhei
Senti aconchego, ao ser verdadeiro
Quando fui útil, me admiraram
Só me engrandeci, quando fui honesto
Só fui pleno e livre nos breves momentos em que amei
Quando dividi, me aproximei
Me sabendo igual, abracei
Alegria plena
Verdadeira paz
Tarde, mas aprendi que mundo sem preço, é que tem valor
Sem impor minha voz, ouço as canções do mundo
Por me saber adulto, brinco com crianças
Se o riso é verdadeiro
A alegria não é fugaz
Pois para ser feliz, o verbo é o ser, não o estar
E o amanhã só será bom, se souber viver o agora
E, agora, sendo de fato forte
Da mesma forma que riu fácil
Se preciso, sem nenhum problema, e sem vergonha, choro...

30 de ago de 2012

Quando mais é menos...


Um dia a mais
Sol da tarde
Tempo seco
Voz calada
Na garganta, outro nó
No olhar, você ausente
Nos lábios, o último beijo
Tanto tempo
Tão distante
Em toda parte, tanto de ti
A cada dia, menos de mim...

Da série pequenos prazeres, mas não haikai...


Em plena tarde, um paradoxo:
Dia quente. Em mim, há frio
Você ausente

29 de ago de 2012

Sextante


Confiar no coração,
dizem estar ultrapassado.
E eu que sigo na imprecisão,
de navegante pela vida.
Sou quase um medieval,
Que em tempo de GPS,
usa bússola e astrolábio!

27 de ago de 2012

No tempo certo...


Poderia não ter luz,
Mas é estrela.
Poderia ser frio,
Mas é chama e brasa.
Poderia ser uma gota,
Mas é o imenso mar.
Poderia não ter graça,
Mas é a vida.
Poderia ser breve,
Mas é amor.
Poderia ser em qualquer lugar,
Mas está aqui, em mim.
Poderia não valer a pena,
Aí, não seria você...

12 de ago de 2012

Estrelas, infinitos e universos...


Isso que acontece quando te vejo.
Não que eu perca o controle,
Ou que eu perca o chão.
Não.
Nada disso.
Mas sim, me dispara o coração.
Lindíssima amiga,
É que seu corpo lindo fala com o meu.
Sua voz rouca, suave e forte,
Acaricia meus ouvidos,
como poema e canção.
Tem essa energia que vem de ti,
e envolve tudo ao redor,
como o Sol, que ilumina e aquece,
Como água alimenta a vida,
Você chega.
E a vida se alegre mais,
Minha felicidade fica mais feliz.
E eu me sinto assim.
Como criança com seu brinquedo preferido,
Como mulher de sapato novo,
Como lábios no melhor beijo.
Eu fico...
Inebriado,
meio embriagado,
quase envenenado.
Mas quero mais.
Quero sentir nas veias o fatal veneno do seu escorpião,
(Que alguém já o disse doce...)
Belíssima querida,
quero seguir a, quase psicodélica, estrela
que emprestastes de Davi.
Me perder em seu infinito,
deixar que seja meu universo.
Ter seu amor,
e me esforçar para merecer.
E me tatuar em você,
pois você já está gravada em mim...

6 de ago de 2012

Verdades



Acreditou.
Não como os fiéis,
que apenas leem em antigos livros.
Nem como os cientistas,
céticos de tudo, por puro capricho acadêmico.
Acreditou com pureza,
Por se saber forte,
Por não acreditar na dor.
Por que já era noite,
E ainda era criança.
Por encontrar conforto no abraço.
Por saber que a paz era ali,
era agora, e para sempre.
Acreditou.
Como não acreditar?
Se a olhou nos olhos,
e viu mais que o belo castanho,
Viu seus sonhos bons reunidos.
Viu a alegria lhe sorrindo.
O amor indo e voltando.
Os dois em miniatura,
Cachorros pela casa,
Velhice plena.
Felicidade plena.
Pleno amor.
Não havia outro caminho.
Era tudo verdade,
E ele, simplesmente,
Acreditou...