29 de set de 2016

Crescimento

... Estou lembrando,
Não sei bem de quando.
Talvez tenha sido bom.
Acho que foi.
Sinto saudades e choro.
O Tempo passou,
Deixou suas marcas e não parou.
Continua seguindo seu curso ininterrupto,
Me levando com ele,
Me tornando forte, para me aceitar como sou,
E ser feliz.
Observo de longe meus antigos horizontes,
Não estão mais à minha frente.
Não fui quem esperava,
Fui quem podia ser,
... Apenas eu mesmo.

Vias

Percorrer caminhos
sem precisar caminhar.
Viver fantasias,
sonhar concretudes,
explorar a imensidão,
ou apenas aconchegar-se.
Na música ou na poesia,
o importante
          é a imaginação.
Remédio pra toda dor.
O tempo é mesmo sábio,
agora chove, e faz calor.

Cardápio

Na noite fria, o pobre
garoto se alimenta de música.
O mendigo da flauta doce!

28 de set de 2016

Outras marcas

Olho momento.
Observo aonde cheguei.
Se fui longe,
ou já é tarde,
Quem poderá afirmar?
Exibo, e sinto, as marcas de onde passei.
Alguns, como belas tatuagens,
outras, horríveis cicatrizes.
Mas todas seguem comigo
lembrando-me quem fui
e todos que sou.
E trago comigo uma legião.
A cada instante, um novo eu.
Em cada lugar, nova história
Por vezes apenas recontada.
Se, dúvidas e certezas definem tudo que sei
e formam consciência, caráter, princípios, desvios
Estou cada vez mais certo de que,
É menos a geografia, e muito mais a cronologia, responsável por me talhar.
Posso não me lembrar de cada canto onde passei.
Mas não consigo, mesmo que queira, me esquecer de quando eu venho...

26 de set de 2016

Trip to hell

Arranco travas dos olhos
                        Eu tento.
Fito um horizonte distorcido
Teias e amarras me impedem a vontade
Desejo virar a página
Escrever a vida
Criar histórias
                        Ao menos a minha
Esforço em vão
Tentativas vãs
Caminhos tortos
Estradas curvas
Linhas certas
Rascunho borrado...

Mas envio mensagem
                        Enquanto sigo meu ocaso.
E, se reconheço o velho retrato
O espelho, a cada dia mais estranho...