29 de jun de 2012

Pequeno manifesto


Mesmo que não seja festa, cante,
Em qualquer estação, plante,
Quando sentir vontade, dance,
Já cresceu? O que importa
Corra,
Pule,
Brinque.
Magoaram você? Perdoe!
Faz tão bem, até para os outros.
Sempre que valer à pena, lute.
Apaixone-se sempre,
Mas seja, e deixe, livre, sempre.
E lembre-se que a liberdade é agridoce.
Ame, mesmo quando achar que não merecem.
O amor que você sente é só seu,
E só você pode senti-lo de fato.
Seu amor pode até tocar o ser amado,
                               (Pode, nem sempre vai)
Mas certamente transformará você.
Apaixone-se o tempo todo.
Se morno, nem o cafezinho matinal,
Por que deixar esfriar a vida?
O mundo é seu,
Mas a Terra, essa jamais terá dono.
Então respeite-a
E compartilhe-a.
Não mate seus sonhos,
Entre felicidade e riqueza, não tenha dúvidas.
Se a vida te oferecer, não será caridade,
nem por acaso.
Você merece (e isso vale para absolutamente tudo).
Aquilo que não te mata, nem sempre te fortalecerá.
Dependendo da dose, certas delícias podem mesmo te matar.
A vida já é estrada,
Cabe a cada um fazer dela caminho.
Se o que temos são pés,
E não raízes.
Aproveite seu tempo.
Torne reais seus sonhos bons.
O universo já fez acontecer,
então faça valer a pena.
Afinal, nossa principal missão aqui,
É ser feliz...

Queria, agora, o formoso.
Essa mesma secura, mas lá no mato,
ouvindo cigarras,
Sentindo o sol na pele
E o vento no rosto.
Mas aqui estou,
ouvindo carros, sirenes e buzinas.
Sem árvores ou cachoeiras,
Subidas e descidas sem emoção,
Só escadas e elevadores.
Aperto no bolso,
na gravata e no apartamento.
Se antes corria livre, pelo cerrado,
Liberdade agora é ilusão.
De que tudo cabe (e pode) no ciberespaço,
Olhando na tela em frente, essa falsa imensidão.
Lá fora sol e poeira,
Quase tudo quase cinza
De tudo nada tem muita cor
Aqui dentro, sonho em molhar os pés
No Formoso ou no Coxim...
Engulo o nó,
Respiro fundo,
Minto pra mim que não há dor
Disfarço o riso com 16 milhões de cores
E sigo em meu trabalho
artificialmente sem calor...



Dias como hoje
Em que é difícil respirar
Não que falte o ar,
Ele existe,
 tanto
e tão denso.
De tão translúcido, quase tem cor.
Em movimento, no que chamamos de vento,
Fazendo novas,
antigas sensações,
Como se fosse agora
O tempo certo para o amor,
Trazendo para a pele,
O coração.
Me fazendo sufocar
Engasgado com a canção.

Saudades...


Sempre assim, em dias quentes
Vem essa saudade
Daqueles dias diferentes

26 de jun de 2012

Insone


Ecoa, por toda noite,
Sua voz em mim, como um canto.
Não me deixando dormir,
No avesso de um acalanto

Por vezes me sinto assim, um tanto vazio
Por ainda não ser pai
Nem ser mais um bom filho

Preferência


Venha sem receio e bagunça esse meu coração.
Paz, terei na morte.
Nessa vida quero mesmo é emoção

9 de jun de 2012

Da série "Pai" - Sobre estradas e caminhos...


E, lembre-se, pequena Ju,
Uma estrada só será caminho,
quando você se dispuser a caminhar...

Barato


Desculpa o “lugar comum” com que expresso minha emoção.
É que, como todo apaixonado,
Fica piegas, meu inculto coração...

Eclipse


A luz que vejo agora,
Não é bem o Sol da tarde.
São seus olhos lindos,
Brilhando do alto dessa saudade...

Sem lamentos


O que foi que fizemos de nossa velha alegria?
Rimos muito, com certeza,
Aproveitamos como podíamos.
Mantendo-a aqui conosco
juntando-a à experiência,
Somos mais felizes a cada dia

Da série "bem humorado" - Quase nada


Já entendi!
Com você, nem tudo pode.
Tudo bem!
Eu me contento com barba, cabelo e bigode.

5 de jun de 2012

Espinho e flor...


Tinha medo, é verdade.
Não ousava soltar o nó
Nem imaginava que assim fosse.
Criou coragem, um belo dia.
Aprendeu vivendo,
            (o melhor jeito)
Que a liberdade é agridoce.

Contradito


Sofria alegremente
As tristezas que sentia.
Duvidando, cegamente,
Das verdades que mentia.

1 de jun de 2012

Letra e música


Como aprendiz, estudei.
Decorei, com prazer, essa linda canção.
Mais que sucesso,
Quero perfeição.
Não posso desafinar.
Será quase adoração,
Espero te emocionar
Pois é você, linda moça,
A música que eu vou cantar...

Da série Pequenos prazeres, mas não haicai - Benefício

Amizade perfeita, temos eu e você!
Não há compromisso.
Mas se pinta vontade, você vem me ter.