23 de nov de 2017

Feridas

Quis voar.
Sonhar longe,
pisar alto,
mergulhar livre,
sentir o vento nas palmas,
e o sol secando a saliva.
O sal do mar ardendo nas feridas.
Da pele,
do coração,
da alma.
Feridas entreabertas,
semicuradas.
Doloridas lembranças,
chagas-lições,
cortes-memória.
Lembrando-me de erros,
mostrando caminhos,
marcando escolhas ruins,
sangrando cada opção.
E há lágrima,
dor,
desconforto
e angustia
Mas mantenho aberta cada ferida.
Para não me esquecer de quem fui,
Não me perder na balsâmica ilusão,
manter a lucides,
e o aprendizado de cada lição.
E, não desistir jamais
de querer voar longe,
sonhar profundo,
e mergulhar alto.
Com cicatrizes, sim.
Mas livre
     e feliz!

21 de nov de 2017

Autoria

Na tela branca da vida
rabisco.
Por vezes frases explícitas,
claras.
Outras vezes, obscuras orações.
Mas sigo minha sina,
traçando minhas horas,
rascunhando meus momentos,
rabiscando meu destino.
Caligrafia ilegível,
arial tamanho 12,
Ou belo manuscrito.
Não importa!
a cada pingo,
cada traço,
cada letra,
cada ponto,
ou travessão,
um novo passo.
Já é outro lugar,
Nova sentença,
outro parágrafo.
Um ponto e virgula;
Virar a página,
arrastar a alavanca de retorno,
Novo “enter”.
Se a escrita segue tranquila
letras suaves,
tipos perfeitos.
Se há lágrimas,
borrão,
manchas,
rasuras.
Mas a escrita segue
Pois é minha tela,
meu bloco,
minha resma.
Ninguém mais pode rabiscar.
Podem até me inspirar,
sugerir,
opinar.
Mas, se é minha essa história,
ninguém escreverá por mim.

19 de set de 2017

Quero fugir daqui,
                de mim.
Quero encontrar um lugar,
Um mar onde velejar tranquilo
Um deserto
onde minha lágrima não molhe a areia
uma montanha tão alta
que nenhuma saudade consiga chegar
Um lugar onde estar só, não seja solidão
Um lugar diferente
Onde tenha perfume, as flores.
E dos frutos emanem doces odores
Onde o ar entre nos pulmões
Leve
E não como explosão.
Quero refazer caminhos
Retocar pinturas
Reescrever versos tortos
Regar canteiros,
                E não decepar margaridas
Brincar ao amanhecer
Correr livre em meia tarde
E, no ocaso da existência,
Que eu possa me sentar em paz
Ao lado de quem não teve medo de viver comigo
Me sentir seguro
E protetor
Ao segurar uma delicada mão
Quero sentir o tempo passar sem medo
Sem pressa
E sem vergonha.
Que o vinho me seja companheiro de risos
E não alívio da dor
Que as lagrimas existam
Mas que venha muito mais por alegria
E quase nunca por sentir que escolhi errado.
Que as escolhas não pesem
Que os passos não pesem
Que os anos não pesem
Mas que a vida,
                ela, inteira,
tenha valido a pena.
É o que espero
Por isso,
                Talvez,
Eu queira fugir de mim agora.
Mas sei que para chegar lá,
                Onde espero,
Preciso, antes,
Passar por aqui.
E tenho certeza,
Esse exato momento,
Que agora doe
Um dia será lembrança feliz
Aprendizado
Necessária lição.
Só por isso não fujo
Sigo firme,
No agora
Me agarrando a tudo que está ao alcance de minhas mãos
Lembrando de cuidar sempre
Desse inocente
Inconsequente
                E quase irresponsável
Que é meu pobre coração.

11 de set de 2017

Meio que...

Meio sem querer, te observei.
Com seu jeito expansivo
humor meio que ácido
Inteligência aguda
Meio sacana,
            (muito maliciosa)
foi assim que chegou.
Invadiu meu universo
Me alterou completamente.
Desorganizou meus dias
Organizou minha vida.
E, em pouco tempo, tornou-se assim,
            meio que vital.
Me deixando meio dependente dessa disfarçada força
            (incompreensível pra mim)
Que me altera por inteiro...
Só me resta admitir: te quero tanto,
            e tão intenso.
(Meio que o tempo todo)
te quero aqui,
perto de mim.


1 de ago de 2017

Retificação do Regulamento

Prezadxs visitantes, escritores e escritoras,
O Regulamento do 1º Concurso Literário Deriva teve o caput do Art. 2º retificado, para dar mais clareza. Veja aqui o Regulamento atualizado.

E esse inverno que não quer passar
E esse frio lá fora, e aqui dentro
E esse medo de não ter calor
E a vontade do mesmo sabor
Não esse amargo na saliva
E a desordem
E essa tormenta
Tempestade em pleno vácuo
E a incerteza se devo seguir
E a insegurança
E essa dúvida se vou conseguir
E o sufocante, e pesado, vazio
E esse nó que não se engole
E a ferida que não cura
E essa necessidade de mantê-la exposta
Aberta
Sangrando
Doendo
Me lembrando, pra sempre,
Que te amo
Mas que um dia te deixei partir...

21 de jul de 2017

Abrigo

Lugar seguro é seu abraço
Onde me aninho
e me protejo
e me revigoro
e encontro forças
para ser  o homem frágil que sou.

Lugar tranquilo é seu abraço
onde posso relaxar
descansar
sonhar
criar
ou simplesmente contemplar

Melhor lugar, é seu abraço
pra onde vou sempre, sem pressa
pra onde qualquer caminho me traz
de onde não quero sair
que procuro o tempo todo
pois é onde encontro a paz.