31 de mai de 2010

Homosex-social

Eu quis ser original,

Não deixaram.

Violentaram-me a consciência,

Estupraram-me a moral.


Ainda em formação seduziram-me sem escrúpulos.

Defloraram-me autoritários,

Moldaram meu caráter, podaram minha imaginação,

Traçaram meu ideal.


Julgam-me prostituto.

Abusam do meu trabalho,

E querem determinar a minha forma de pensar.


Penetram-me a liberdade em coitos violentos,

Fazem o vai e vem arbitrário dos fatos com muita sofreguidão.

Curvado humildemente sem poder me debater com as mãos da tirania que seguram as minhas ancas.

Assim não tenho prazer, apenas desalento.

E piora ainda mais o estado físico-psíquico-emocional

Ao sentir lá no íntimo, na mente vísceras e coração, os jatos fortes, assassinos de sonhos, do sêmen da opressão.


Da autoria da história devo estar sempre aquém.

Negam-me o prazer do gozo do saber

Pois, se experimentá-lo, posso deixar de aceitar a situação como vem.


Às vezes me masturbo

Sonhando com a fraternidade

Mas meu gozo solitário não é fecundo.

Não deixa hereditariedade.


Porém, estou sorvendo conhecimento afrodisíaco.

E meu membro revolucionário já dá sinais de ereção.

Não passa mais muito tempo, pra que eu sacie,

De liberdade, o meu tesão.


Me tornarei fetichista,

Estudando, recolhendo e distribuindo peças do clímax prazeroso.

Que deve ser, e será, geral.

Procurarei homens retos, tarados por justiça,

Encontrarei, tenho certeza, verdadeiros estadistas.


E quando (todos) estiverem prontos,

Despidos da sujeira que cobre a podridão social.

Todos presenciarão (e participarão) de um satisfatório e coletivo bacanal.


E tendo, então, liberdade

Mudarei de posição (não ficarei mais de costas) e,

Penetrarei abraçando de frente a parceira transformação.


Aí gozarei feliz, e nisso serei correto.

Procurarei manter meu membro, pensante, sempre ativo

Sempre ereto.


E todos nós, históricos eunucos do movimento coletivo,

Sairemos do anti-evolutivo marasmo.

Não seremos mais tão passivos

E deliciaremos num contínuo, universal e dialético orgasmo.

5 comentários:

  1. Naza..perfeito!!! Acho q muitos já evoluiram!

    ResponderExcluir
  2. Quantos anos se passaram desde sua declamaçao deste poema!.....E ele é presente em todo o tempo...Tomara que em breve ele seja apenas passado...
    Tenho do passado o mesmo sentimento... E voce diz que eu que sou corajosa!!!!
    Beijos amigo...Deus abençoe voce.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente excitante a nível sócio-cultural!
    Parabéns!
    Abraços!
    Andréa Andrade - SP

    ResponderExcluir
  4. É disso que "eu - falo"!

    ResponderExcluir
  5. É realmente lindo Naza!
    Deusa

    ResponderExcluir