31 de jul de 2012

Da série "poemas da cripta" - 8º andar -


Vida plena, como nunca.
livre, como pássaro,
Sorriu feliz eternamente,
Pelo tempo que durou aquele salto.
E morreu na via pública,
Entre a sarjeta e o asfalto!

Um comentário: