24 de abr de 2012

Entrelinha

Leio novamente minha história.
Não a escrita em papel.
A que está gravada em mim.
Lentamente leio
Minha história, que já foi sua,
E por isso ela é nossa.
Tatuada em minha pele,
Com as marcas que você deixou em mim,
Ora como pirogravura, ora suave aquarela.
Poema sem nexo.
Psicodélico conto, o que agora leio.
Sua voz a sonorizar meus pensamentos,
Sua saliva, agridoce, amargando meu paladar.
Sua irreal presença concreta,
Em seu lugar, na minha cama
Me invadindo alma e corpo,
em descontrolada fantasia.
Ao ler agora essa história,
Constato o que eu não queria.
Vejo minha vida sendo escrita
com sua torta caligrafia
Que insiste em ser autor,
da minha insólita biografia.

3 comentários:

  1. Parabéns pelo Blog...


    A VISÃO DO POETA

    O POETA ANDA,
    SONHA, VIBRA
    POR CAMINHOS
    POUCO NAVEGADOS
    USANDO A SENSIBILIDADE
    DA ALMA
    E QUANDO ACORDA
    DESSE ENLACE
    SEU OLHAR FÍSICO
    É SEU ÚNICO CANAL
    COM A REALIDADE ...

    ANJOPOESIA

    ResponderExcluir
  2. Poesia linda ... Carrega consigo sentimento profundo , adorei!

    Parabéns

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. A nossa vida somos nós que decidimos. Os outros quererão estar connosco ou não... Bom poema!

    Abraço

    ResponderExcluir